segunda-feira, 17 de outubro de 2011

CÉU DE VIDEIRA - SANTA CATARINA

Esse é o céu de Videira uma pitoresca cidadezinha de Santa Catarina que gentilmente me acolheu por tempo indeterminado como moradora  em uma tarde dessas quente com uma brisa morna onde você olha literalmente para um céu igual a este aqui da foto e vê inúmeras possibilidades de fazer uma viagem por entre as nuvens.





A priori quem olha imagina que está se formando um temporal, não é assim?
Mas como tudo na vida e isso é bem certo, muitas vezes nos enganamos. Pensamos algo que não traduz a realidade.
Um dia escutei isso ao telefone, ouvindo a pessoa me dizer que havia se enganado comigo ... que algumas das coisas que me dissera faziam parte de um engano ... como se realmente eu servisse de modelo pra alguém sendo mortal como sou e cheia de falhas, defeitos e virtudes como todos.

Mas do nada as coisas mudam de figura, como a próxima foto que vem a seguir.
Acima um suposto prenúncio de tempestade ... abaixo ... como tudo na vida ... passa ... no instante seguinte o céu se transforma.




A cada vez que olhamos seja lá para o que for, nunca será igual, sempre haverá o toque diferente do dia seguinte, porque tudo está em processo constante de transformação.

Que meus olhos ao verem algo enxerguem a realidade do que me é mostrado porque se eu procurar verdade em tudo que estiver ao meu redor, irei me frustar com certeza, porque verdades cada um carrega a sua.

E que tal esse céu aqui ? Será que ele está em chamas ? Ou apenas um entardecer maravilhoso ... um verdadeiro espetáculo digno de aplausos !



Então meu caro visitante, seja lá de onde você for, fica a teu critério definir sob que prisma você prefere enxergar as coisas e as situações ao teu redor.

Eu diria à você que nada substitui a calma de avaliar tudo, mas tudo mesmo, por menor que seja antes de tomar qualquer decisão na vida !


Porque uma vez a decisão tomada não há como voltar atrás !!!

Grata pela visita !!!


RUTH

FOTOS DE ACERVO PARTICULAR



LUIS FERNANDO VERÍSSIMO

Para se roubar um coração, é preciso que seja com muita habilidade, tem que ser vagarosamente, disfarçadamente, não se chega com ímpeto, não se alcança o coração de alguém com pressa. 
Tem que se aproximar com meias palavras, suavemente, apoderar-se dele aos poucos, com cuidado. 
Não se pode deixar que percebam que ele será roubado, na verdade, teremos que furtá-lo, docemente. 
Conquistar um coração de verdade dá trabalho, requer paciência, é como se fosse tecer uma colcha de retalhos, aplicar uma renda em um vestido, tratar de um jardim, cuidar de uma criança. 
É necessário que seja com destreza, com vontade, com encanto, carinho e sinceridade. 
Para se conquistar um coração definitivamente tem que ter garra e esperteza, mas não falo dessa esperteza que todos conhecem, falo da esperteza de sentimentos, daquela que existe guardada na alma em todos os momentos. 
Quando se deseja realmente conquistar um coração, é preciso que antes já tenhamos conseguido conquistar o nosso, é preciso que ele já tenha sido explorado nos mínimos detalhes,  que já se tenha conseguido conhecer cada cantinho, entender cada espaço preenchido e aceitar cada espaço vago. 
... e então, quando finalmente esse coração for conquistado, quando tivermos nos apoderado dele, vai existir uma parte de alguém que seguirá conosco. 
Uma metade de alguém que será guiada por nós  e o nosso coração passará a bater por conta desse outro coração. 
Eles sofrerão altos e baixos sim, mas com certeza haverá instantes, milhares de instantes de alegria. 
Baterá descompassado muitas vezes e sabe por que? 
Faltará a metade dele que ainda não está junto de nós. 
Até que um dia, cansado de estar dividido ao meio, esse coração chamará a sua outra parte e alguém por vontade própria, sem que precisemos roubá-la ou furtá-la nos entregará a metade que faltava. 
... e é assim que se rouba um coração, fácil não? 
Pois é, nós só precisaremos roubar uma metade, a outra virá na nossa mão e ficará detectado um roubo então! 
E é só por isso que encontramos tantas pessoas pela vida a fora que dizem que nunca mais conseguiram amar alguém... é simples...  é porque elas não possuem mais coração, eles foram roubados, arrancados do seu peito, e somente com um grande amor ela terá um novo coração, afinal de contas, corações são para serem divididos, e com certeza esse grande amor repartirá o dele com você.


ROMANCE PERDIDO DE SARAMAGO CHEGA ÀS LIVRARIAS DO BRASIL E PORTUGAL



O romance "Claraboia", escrito nos anos 50 pelo escritor português José Saramago (1922 - 2010), chega às livrarias do Brasil e de Portugal pela editora Caminho na próxima segunda-feira.

O escritor português, morto em junho de 2010, havia completado 30 anos quando decidiu entregar o manuscrito de "Claraboia" a uma editora que nunca respondeu, nem lhe devolveu o original.

Quarenta anos depois, a mesma empresa que encontrou a obra perdida durante uma mudança e informou Saramago de seu interesse em publicá-la.

No entanto, na ocasião o autor rejeitou a oferta porque alegou que haviam passado muitos anos e não era o momento, deixando nas mãos dos seus herdeiros a decisão de editá-la.

Saramago publicou o seu primeiro romance, "Terra do Pecado", em 1947. Após quase duas décadas, lançou  "Os Poemas Possíveis", em 1966.

O reconhecimento mundial, no entanto, só foi obtido quando o escritor chegou aos 60 anos, com "Memorial do Convento"(1983), embora o ápice de seu sucesso tenha sido registrado em 1998, quando se tornou no único escritor de língua portuguesa a receber o Nobel de Literatura.

"Claraboia" aborda a história de uma casa e está escrita numa linguagem mais convencional do que a maioria das obras posteriores de Saramago.

Apesar de a edição impressa chegar às lojas somente na segunda-feira, uma edição digital já está disponível na internet.



Fonte: http://embaixada-portugal-brasil.blogspot.com   14.10.11

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

CIENTISTAS ALCANÇAM O INTERIOR DO PLANETA TERRA


Uma equipe de perfuração recentemente atravessou camadas de rochas profundas por sob o Havaí e acidentalmente se tornou o primeiro grupo de seres humanos conhecido a ter perfurado a crosta terrestre em profundidade suficiente para chegar ao magma - a forma derretida de rocha que ocasionalmente atinge a superfície na forma de erupções de lava - em seu ambiente natural, anunciaram cientistas norte-americanos em dezembro.
     "Trata-se de uma descoberta sem precedentes", disse Bruce Marsh, especialista em vulcões da Universidade Johns Hopkins, em Maryland, que participará do estudo das amostras obtidas pelos perfuradores.
     Normalmente, ele disse, os pesquisadores de vulcões precisam realizar "estudos post-mortem" de magma há muito solidificado, ou estudar a lava ainda em estado ativo em períodos de erupções vulcânicas. Mas desta vez eles conseguiram encontrar o magma em seu ambiente natural - algo que Marsh descreveu como tão emocionante, para os membros de sua profissão, quanto encontrar um dinossauro vivo brincando em uma ilha distante seria para um paleontologista.
     "Esse é o meu Jurassic Park", ele declarou em uma reunião da União Geofísica Americana em San Francisco.


Equipe de perfuração acidentalmente se tornou o primeiro grupo de seres humanos conhecido a ter perfurado a crosta terrestre em profundidade suficiente para chegar ao magma


Equipe de perfuração acidentalmente se tornou o primeiro grupo de seres humanos conhecido a ter perfurado a crosta terrestre em profundidade suficiente para chegar ao magma (foto: Nature)
 
    Primeiro contato
    
 A descoberta foi feita a uma profundidade de 2,5 quilômetros, durante uma escavação exploratória cujo objetivo era tentar localizar fontes de energia geotérmica. A equipe de escavação encontrou algo de incomum durante operações de rotina conduzidas no Projeto Geotérmico de Puna, uma propriedade controlada pela Ormat Technologies, de Reno, Nevada. Quando os trabalhadores tentaram retomar suas escavações, descobriram que o magma havia subido por cerca de oito metros do encanamento que inseriram no poço exploratório. A rocha se solidificou na forma de uma substância clara e vítrea, aparentemente devido ao resfriamento rápido pelo qual passou depois de encontrar a água do lençol freático.
     Os cientistas sabiam há muito que era provável a presença de câmaras de magma na vizinhança do local da escavação. A perfuração estava sendo conduzida em um esforço para tentar encontrar fontes de abastecimento para uma usina de energia geotérmica já existente, construída para colher calor da região vulcânica mais ativa do mundo, em torno do vulcão Kilauea, que vem emitindo lava continuamente desde 1983. Don Thomas, geoquímico do Centro de Estudo de Vulcões Ativos da Universidade do Havaí, disse que era apenas questão de tempo antes que alguma operação de perfuração viesse a atingir magma quente.
     Mas que isso tenha de fato acontecido na prática "é tremendamente emocionante", disse Thomas, que não fazia parte da equipe que realizou a descoberta.
     Os pesquisadores descobriram, adicionalmente, que o magma é feito de dacito, uma espécie de rocha precursora do granito, e não do basalto que forma a maior parte do Havaí.



ERUPÇÃO DO KILAUEA


"Se tivéssemos encontrado basalto, a surpresa não teria sido grande", disse William Teplow, geólogo consultor da U. S. Geothermal, que está assessorando o projeto.
     Os cientistas acreditavam há muito que o dacito pudesse se separar do magma basáltico para formar rochas graníticas. Mas eles jamais esperavam ver o processo em plena operação.
     "Essa pode ser a primeira vez que a geração do granito foi observada de forma concreta em seu estado formativo, na natureza", disse Teplow. "É uma observação importante porque é esse processo que diferencia a crosta continental granítica da crosta oceânica, mais primitiva e basáltica".
     Marsh está entusiasmado com as perspectivas de novos estudos. "Isso é apenas a ponta do iceberg", ele declarou. "Não sabemos onde vai nos levar, mas se trata de uma oportunidade de ouro".
     Pode até ser possível conduzir experiências científicas no interior do magma.
     "Poderíamos estar falando do primeiro observatório de magma instalado no planeta", disse Marsh. "Trata-se de um evento singular, do nosso primeiro contato com as entranhas da Terra, onde vive o magma".




O primeiro protótipo Power Tube foi projetado para gerar electricidade a partir de magma


 Poderio econômico
     
Com uma temperatura estimada em cerca de 1.050 graus centígrados, a camada de magma também poderia ser valiosa como uma fonte de calor de alta qualidade para a produção de energia geotérmica.
     "Mas a primeira coisa com que devemos nos preocupar é compreender os aspectos científicos", disse Lucien Bronicki, presidente do conselho e vice-presidente de tecnologia da Ormat.
     Marsh, da Universidade Johns Hopkins, acrescentou que o corpo de magma localizado é grande o suficiente para que seu uso como fonte geradora de energia não interfira com futuras pesquisas científicas na mesma região.
     "O poço que escavamos tem as dimensões que uma picada de mosquito teria nas costas de um elefante", ele afirmou.



Planta geotérmica da Ormat Technologies em Puna


Autor:Richard A. Lovett (tradução: Paulo Migliacci) / National Geographic - Terra Notícias
Postado e adaptado por Wilson Junior Weschenfelder