domingo, 11 de setembro de 2011

SHIBLÍ E O PADEIRO

Um padeiro havia ouvido falar do célebre Abu Bakr al- Shiblí e desejava ardentemente conhecê-lo. Um dia, Shiblí foi a sua padaria e, sem esconder-se, pegou um pão. O padeiro, que nunca o havia visto, avançou sobre ele, tomou-lhe o pão das mãos, dizendo-lhe:


"Vá, mendigo, meu pão não é para ti". 
Shiblí se foi.


Então, alguém disse ao padeiro:
"Não sabes que este homem é Shiblí? Como lhe negas o pão?"


Morto de vergonha, o padeiro correu atrás de Shiblí, o alcançou e jogando-se a seus pés pediu-lhe mil desculpas. 


Shiblí disse-lhe:
"Se queres ser perdoado, prepare um banquete para amanhã, e chame muitos convidados".


O padeiro apressou-se a armar uma festa suntuosa, convidando grande número de pessoas e anunciando a presença de Shiblí. Quando este chegou, todos sentaram-se para comer.


Um homem piedoso perguntou-lhe:


"Como se pode discernir entre um homem bom e um homem mau?"
Shiblí respondeu: "Se queres ver a um homem mau, olha nosso anfitrião: por mim, gastou cem moedas de ouro; por Alláh, não queria dar um pão. Ao invés de entregar-se a gastos de loucura para um homem célebre, mais lhe valeria dar um pão com doçura a um mendigo.


Parecer homem generoso não é nada; o que conta é a pureza da intenção".

(Farid ud-Din Attar, O Livro divino)

  

CONTO SUFI

HISTÓRIA DE UM BURRO SÁBIO



Alguém, jogado na rua, chorava dizendo: 
"Quem, neste deserto, está mais angustiado que eu?

Um burro de carga respondeu: 
"Oh insensato, durante quanto tempo lamentarás a tirania do destino? 
Vá embora e agradece que apesar de que não montes num asno, você não é um burro sobre quem os homens montam". 
 
 

(Shaykh Saadi de Shiraz, Al-Bustan, "Jardim de Frutos")