quarta-feira, 17 de agosto de 2011

PRESENÇA


É preciso que a saudade desenhe tuas linhas perfeitas,
teu perfil exato e que, apenas, levemente, o vento
das horas ponha um frêmito em teus cabelos...
É preciso que a tua ausência trescale
sutilmente, no ar, a trevo machucado,
as folhas de alecrim desde há muito guardadas
não se sabe por quem nalgum móvel antigo...
Mas é preciso, também, que seja como abrir uma janela
e respirar-te, azul e luminosa, no ar.
É preciso a saudade para eu sentir
como sinto - em mim - a presença misteriosa da vida...
Mas quando surges és tão outra e múltipla e imprevista
que nunca te pareces com o teu retrato...
E eu tenho de fechar meus olhos para ver-te.


MÁRIO QUINTANA


CORA CORALINA

“Não sei se a vida é curta ou longa para nós, mas sei que nada do que vivemos tem sentido, se não tocarmos o coração das pessoas.
Muitas vezes basta ser: colo que acolhe, braço que envolve, palavra que conforta, silêncio que respeita, alegria que contagia, lágrima que corre, desejo que sacia, olhar que acaricia, amor que promove.
E isso não é coisa do outro mundo, é o que dá sentido a vida, é o que faz com que ela não seja nem curta, nem longa demais, mas que seja intensa verdadeira e pura enquanto durar.
Feliz é aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina”.

Cora Coralina


sexta-feira, 12 de agosto de 2011

AS PIRÂMIDES SUBMERSAS DO JAPÃO


Desde 1995, mergulhadores e cientistas japoneses estudam uma das mais importantes descobertas arqueológicas do planeta, misteriosamente ignorada pela imprensa ocidental.

Localizada a alguns quilômetros da ilha de Yonaguni, estão os restos submersos de uma cidade muito antiga. Muito antiga MESMO! Os estudos geológicos calcularam a idade destes monumentos como tendo 11.000 anos de idade, o que os colocaria como uma das edificações mais antigas do planeta.

Ao longo de mais de uma década de explorações, mergulhadores já haviam localizado nada menos do que oito grandes estruturas feitas pelo homem, incluindo um enorme platô com mais de 200m de comprimento, uma pirâmide no mesmo estilo das aztecas e maias (constituídas de 5 andares e alinhadas de acordo com pontos cardeais), bem como um conjunto completo de zigurates, demarcando áreas e regiões específicas no platô.Assim como são “coincidências” o fato das pirâmides do Egito estarem alinhadas com a constelação de Orion (Osíris), as pirâmides encontradas na China alinharem perfeitamente com a constelação de Gêmeos, os Templos astecas de Tecnochtitlan estarem alinhados com a constelação de Urso, Angkor Wat (aqueles templos que a Lara Croft explora no Cambodja) estarem alinhados com a constelação do Dragão e assim por diante…

Uma estrutura que se pensa ser a construção mais velha do mundo, com quase duas vezes a idade das grandes pirâmides do Egito, foi recentemente descoberta. A formação retangular de pedras abaixo do mar na costa do Japão poderia ser a primeira evidência de uma desconhecida civilização anterior a Idade da Pedra, dizem os arqueólogos. O monumento tem 600 pés de largura e 90 pés de altura e foi datado com pelo menos 8.000 a.C.

Equipe do dr. Masaaki Kimura, da Universidade de Ryûkyû, exploram o sítio arqueológico submarino. Escadarias, rampas, terraços, entalhes na rocha e outros indícios da "mão humana", como ferramentas. Yonaguni pode ser o mais antigo consjunto arquitetônico da história.

No arquipélago de Ryûkyû, a 480 km a sudoeste de Okinawa - Japão, as águas em torno da ilha de Yonaguni escondem um conjunto de misteriosas ruínas magalíticas. O território, de 28,88 km² e uma população de pouco mais de mil e setecentas pessoas, atraiu a atenção de historiadores, arqueólogos e outros cientistas quando, em 1985, um mergulhador descobriu as magníficas estruturas de pedra submersas nas águas que circundam a ilha.

Quando fotos do lugar foram divulgadas, imediatamente começou a polêmica sobre a origem dos terraços e escadarias. Muitos estudiosos recusaram aceitar que as ruínas sejam de construções feitas por mão humana. As formas geométricas, os ângulos muito certos, foram atribuídos a "agentes naturais". Entretanto, outros pesquisadores afirmam que o fundo do mar de Yonaguni é o túmulo de uma próspera civilização possivelmente mais antiga que Suméria, Egito, Índia ou China.

Em 1997, dr. Masaaki Kimura, professor da Universidade de Ryûkyû, PHD em geologia marinha, publicou A Continent Lost In The Pacific Ocean, onde defende a teoria da civilização submersa; no mesmo ano, uma equipe da universidade empreendeu estudos no sítio arqueológico.

Em 04 de maio de 1998, partes da ilha e das ruínas foram sacudidas por um terremoto. Depois do abalo, foram realizadas filmagens submarinas. Constatou-se que haviam surgido novas estruturas de forma similar aos zigurats da Mesopotâmia. Estes seriam, então, os edifícios mais antigos do mundo. Foram encontradas marcas nas pedras que evidenciam o trabalho feito nelas, incluse entalhes. Também foram achadas ferramentas e uma pequena escadaria. A hipótese de formação natural em Yonaguni tornou-se, então, pouco plausivel.


O ENIGMA DA FACE


Submersa, 18 metros abaixo da superfície, surge uma cabeça megalítica, um rosto de pedra gasto pela erosão das águas que faz lembrar as cabeças de pedra de outros lugares antigos: Moais, no Pacífico; La Venta, Golfo do México.

Há 6 mil anos, as ruínas eram terras emersas, ligadas ao continente. A elevação do nível dos mares ao longo de eras fez submergir territórios como os da costa de Yonaguni. Há especulações sobre a "identidade" da civilização sepultada naquelas águas. Muitos falam em Atlântida mas, se parte de uma "civilização perdida" repousa no leito daquele mar então o mais certo é que seja a Lemúria ou Mu, ainda mais antiga, chamada pelos esotéricos de civilização da Terceira Raça.


FONTE: http://www.sitedecuriosidades.com/ver/as_piramides_submersas_do_japao_-_o_misterio_da_ilha_de_yonaguni.html







QUISERA EU

Quisera eu ter o dom de voar, atravessar fronteiras e mares.
Quisera eu !
Quisera eu soprar-lhe ao ouvido notas angelicais mostrando-lhe um mundo totalmente novo.
Quisera eu !
Quisera eu em cada canto deste mundo enorme e vasto plantar uma semente de bondade e fazê-la germinar.
Quisera eu !
Quisera eu que minha alma voasse ao sabor do vento e em cada  local pudesse aportar e sonhar.
Quisera eu!
Quisera eu que ao encontrar comigo mesma soubesse quem sou.
Quisera eu!
Quisera eu então que ao saber quem sou entendesse quem é você.
Quisera eu!
E juntos entendermos os enigmas da vida, do amor e do ser.
Quisera eu !

RUTH




DEFICIÊNCIAS

Deficiente é aquele que não consegue modificar sua vida, aceitando as imposições de outras pessoas ou da sociedade em que vive, sem ter consciência de que é dono do seu destino.
Louco é quem não procura ser feliz com o que possui.
Cego é aquele que não vê seu próximo morrer de frio, de fome, de miséria, e só tem olhos para seus míseros  problemas e pequenas dores.
Surdo é aquele que não tem tempo de ouvir um desabafo de um amigo, ou o apelo de um irmão, pois está sempre apressado para o trabalho e quer garantir seus tostões no fim do mês.
Mudo é aquele que não consegue falar o que sente e se esconde por trás da máscara da hipocrisia.
Paralítico é quem não consegue andar na direção daqueles que precisam de sua ajuda.
Diabético é quem não consegue ser doce.
Anão é quem não sabe deixar o amor crescer.
E, finalmente, a pior das deficiências é ser miserável, pois:
Miseráveis são todos que não conseguem falar com Deus.

RENATA VILLELA



quinta-feira, 4 de agosto de 2011

EXPLICATIVO

Eis aqui um pequeno explicativo para os que visitam meu Blog, agradecendo de antemão as visitas e o fato de prestigiarem com vossas presenças o meu humilde espaço, sendo assim ao decorrer do tempo minha intenção é homenagear todos os espaços habitados de nosso planeta sem exceção.
Nesse primeiro momento será a Polinésia Francesa o qual visitei através do Google Earth e sinceramente fiquei extasiada e em determinados momentos sem palavras diante de tanta beleza e magnitude da natureza que lá habita.
O Universo é maravilhoso e pude recolher um pouco daquela beleza em meu interior valorizando ainda mais minha vida que tem sim um valor incalculável e uma preciosidade tremenda porque afinal de contas estamos inseridos nesse eco sistema e fazemos parte dele como peças únicas de um enorme quebra-cabeça executando cada um sua tarefa em prol de algo enigmático sendo movidos pela mola mestra que foi eternizado em poemas, canções e em todas as formas possíveis e imagináveis de expressão que é o amor.

Sintam-se em casa e espero sinceramente que gostem.


                                                                             RUTH


POLINÉSIA FRANCESA


É um território da Polinésia dependente da França. Localiza-se no Oceano Pacífico sul, a aproximadamente 600 quilômetros a leste da Austrália. É um dos mais vastos territórios do Pacífico, com 4.167 km², se considerada a área marítima.
A Polinésia é formada por cinco arquipélagos: Marquesas (onde morreu o pintor Paul Gauguin), Tuamotu, Gambier, Austrais e da Sociedade.  Entre os arquipélagos, o mais famoso e frequentado, é o da Sociedade, onde se encontra a maior ilha da região, o Taiti (a porta de entrada de todos os turistas que visitam a região), além das ilhas de Bora Bora e Moorea. 

ARQUIPÉLAGO DAS MARQUESAS

ARQUIPÉLAGO DE TUAMOTO

ARQUIPÉLAGO DE TAMIER





ARQUIPÉLAGO DE AUSTRAIS

O Arquipélago da Sociedade se divide em dois grupos: Ilhas de Barlavento e Ilhas de Sotavento além de algumas ilhotas exteriores a estes grupos. O Arquipélago da Sociedade é  o mais famoso e freqüentado, onde se encontra a maior ilha da região, o Taiti (a porta de entrada de todos os turistas que visitam a região), além das ilhas de Bora Bora e Moorea. 
ARQUIPÉLAGO DA SOCIEDADE


ILHA DE BARLAVENTO
ILHA DE SOTAVENTO

TAHITI

A Polinésia Francesa virou quase sinônimo de Taiti (a maior ilha, onde fica a capital Papeete). 


ILHA DE BORA BORA


ILHA DE MOOREA



PAAPETE
A região é produto de erupções vulcânicas. Elas resultaram em ilhas montanhosas (há picos que superam os 1.200 metros de altitude), com vasta vegetação tropical, plantações de ananás e coco, praias de areia muito branca e um mar que apresenta uma infinidade de tons de azul, dependendo da profundidade da água e dos corais no fundo. 




A Polinésia Francesa tem 259 706 habitantes.




Taiti e suas ilhas contam com mais de 257.000 habitantes, numa mistura de polinésios (75%), chineses (10%) e europeus (15%). Aproximadamente, 86% da população reside no Arquipélago da Sociedade, sobretudo na ilha do Taiti. Os arquipélagos de Tuamotu e Gambier agrupam 7% dos insulares e as Marquesas 4%. Enfim, 3% da população reside nas ilhas Austrais. Por volta de 40 ilhas permanecem desabitadas.




Obviamente que as imagens falam por isso, sendo que nada substitui você estar lá.

SENDO ASSIM ALOHA PARA VOCÊS !!!